quinta-feira, 2 de maio de 2013

Pastora evangélica que pregava sobre a cura da homossexualidade "volta" a ser lésbica

Pastora ex-lésbica

A pastora Lanna Holder sempre soube sua orientação sexual e aos 17 anos teve sua primeira experiência com uma mulher. No entanto, acreditava que sendo lésbica seria condenada ao inferno. Aos 21 anos se converteu à religião evangélica e deixou de lado uma companheira. Pouco depois se casou com um pastor, teve um filho, e a religião passou a ser parte principal de sua vida. Pelas igrejas do Brasil, ela pregava sobre a “cura” a que havia sido submetida e passou a ser vista como um exemplo a ser seguido - e uma prova viva de que seria possível superar a homossexualidade.

Em vídeos disponíveis no YouTube, é possível ver longos sermões da pastora pregando sobre a maldição e o pecado da homossexualidade. Igrejas lotadas de fiéis aclamaram suas palavras e acreditaram estar diante de uma pessoa “regenerada” e “trazida de volta ao caminho do bem”. Assista ao testemunho completo dela como pastora "ex-lésbica":


Em 2002, no entanto, a história mudou quando Lanna conheceu Rosania em uma igreja evangélica em Boston, nos Estados Unidos. Rosania, que morava na cidade, onde era dirigente de louvor de uma igreja frequentada por brasileiros, era casada com um pastor, com quem teve um filho. Muito conhecida na comunidade evangélica por cantar músicas gospel, iniciou uma grande amizade com Lanna, de quem sempre estava perto nos cultos: onde Lanna pregava, Rosania cantava. Da amizade ao amor bastaram seis meses e suas vidas foram viradas de cabeça para baixo. De celebridades evangélicas adoradas, Lanna e Rosania viraram párias na religião que ajudavam a espalhar.

Agora lésbica assumida a pastora foi entrevistada pelo portal vírgula, quando questionada se a igreja faz uma lavagem cerebral em seus fiéis, Lana diz:

"Hoje eu cheguei à conclusão de que a religião demoniza tudo o que ela não explica e não entende. A homossexualidade é uma questão muito cheia de ramificações e interpretações. A própria igreja não chega a um consenso sobre o que pensa a respeito. Enquanto tem uma parte que garante que é uma possessão demoníaca, outra parte tem certeza de que é uma doença. Por mais que no fundo a igreja saiba que a homossexualidade não é abominável, ela se recusa a corrigir um erro. É difícil voltar atrás e reconhecer que errou depois de milênios condenando os homossexuais. É mais fácil manter como está."

Sobre a cura gay, ela falou que passou pelo processo, mas não teve efeito algum e que ficou casada com um homem por medo de ir para o inferno:

"Fiz tudo o que a igreja mandou fazer para deixar de ser lésbica: quebra de maldição, cura interior, desligamento de alma, quebra de vínculo. Depois de tudo, minha orientação sexual não mudou e então cheguei à conclusão de que fazia parte da minha natureza. Esconder foi a minha única opção. Fiquei casada com um homem, não porque era o que eu queria, mas porque era o imposto para que eu não fosse para o inferno."

Lanna conta como foi o processo de aceitação dentro da igreja, após ela se assumir quanto lésbica. Dizendo que pediram para guardar segredo e que os próprios líderes foram divulgar a orientação sexual delas.

"Contamos aos nossos maridos e depois aos nossos líderes, que nos aconselharam a não contar nada a ninguém para preservar a imagem da igreja. Confiamos que tudo daria certo, eu pensei que voltaria para meu marido e que a Lanna seguiria a vida dela, já que estava decidida a se separar. Mas assim que viramos as costas, eles (os líderes) pegaram o telefone e começaram a ligar para toda a comunidade evangélica contando a novidade. "

Atualmente as duas lideram uma igreja inclusiva desde 2011 que já conta com mais de 500 membros, na entrevista ao portal vírgula ela fala sobre Silas Malafaia pedindo para que ele deixe de polêmicas, afinal é só o que ele gosta de fazer. E sobre Marco Feliciano ela pede que ele "cresça" e deixe de ser narcisista.

Fonte: Portal Vírgula 
Edição: A Liga Gay

Facebook A Liga Gay


Compartilhe:


Tags: , , , , ,

Compartilhe

Subscribe

Cadastre-se aqui e receba todas as nossas notícias em seu e-mail.

© 2013 A Liga Gay. Todos os Direitos reservados.
Design by M Multimidia